Os dados que alimentam o futuro do petróleo e gás

10 de agosto, 2018


       No traiçoeiro Mar do Norte, a 180 quilômetros da costa da Noruega, o futuro da indústria mundial de petróleo e gás se eleva sobre as águas geladas a 110 metros de profundidade. É a mais nova plataforma de produção da Aker BP, onde a Siemens está transformando os conceitos da Indústria 4.0 com a ferramenta Topsides 4.0 - uma abordagem de ciclo de vida transformacional para a digitalização de operações de petróleo e gás.


       Com a ajuda da Siemens, a plataforma Aker BP, que extrai 60 mil barris por dia na bacia de Ivar Aasen, no Mar do Norte, é uma das mais tecnologicamente avançadas do mundo. Isso mostra como a digitalização e o uso inteligente de dados podem reduzir drasticamente os custos de exploração e produção (E&P), aumentando ainda mais a segurança, a visibilidade e o suporte à decisão. Os operadores de midstream e downstream também podem obter benefícios semelhantes.




Momento para uma abordagem nova e de baixo custo para sustentar a lucratividade

       Após dois severos choques de preços em menos de uma década, a indústria cíclica de petróleo e gás intensiva em capital sofreu o suficiente. As operadoras de E&P de hoje querem diminuir os custos o máximo possível para se manterem lucrativas em crises futuras. Mas, em vez de reduzir os custos de fornecedores como antes, eles estão usando a digitalização para melhorar significativamente a segurança e a competitividade de suas operações.


      Hoje, apesar dos preços do petróleo Brent estarem agora acima de US$ 60 o barril, os produtores do Mar do Norte não perderam o empenho em reduzir custos. Pelo menos um grande operador de E&P naquela região elevou seus atuais custos de produção por barril para menos de US$ 15 e visa menos de US $ 12 até 2020. [IBID] E, no ano passado, a Aker anunciou uma meta ainda mais ambiciosa - US$ 6 por barril - usando a digitalização proporcionada pela Siemens para atingir esse objetivo.


Monitoramento em tempo real de dados de equipamentos com a Topsides a partir de 1.000 km de distância

      A plataforma Ivar Aasen da Aker BP é um passo gigantesco nessa direção. Com um pacote Siemens totalmente integrado de funcionalidade padronizada elétrica, de instrumentação, controle e telecomunicação (EICT) a bordo, os dados dos equipamentos são monitorados em tempo real a partir de uma sala de controle em terra a 1.000 km de distância, em Trondheim, Noruega. Por fim, a Aker BP prevê a implantação de plataformas completamente não tripuladas para serem operadas remotamente.


“A digitalização irá acelerar nos próximos anos, uma vez que se torna um imperativo competitivo, com benefícios muito atraentes para ignorar ”.

Jesus Pacheco, vice-presidente executivo de Tecnologia e Inovação da Dresser-Rand da Siemens



Topsides 4.0: como a Siemens vai mudar o modo de operar do setor de E&P 

      De acordo com Jesus Pacheco, vice-presidente executivo de Tecnologia e Inovação da Dresser-Rand da Siemens, a abordagem de digitalização da Aker BP ilustra apenas uma fração do enorme jogo de mudança que o mercado da indústria está destinado a enfrentar.


        A carta da Siemens nesse jogo é o Topsides 4.0. Ele fornece uma solução de ciclo de vida digital para plataformas de produção offshore, sustentada por comunicações seguras e pela integração de módulos de compressão, geração de energia, distribuição de energia e automação.


       Segundo Pacheco a Topsides 4.0 fornece um proxy virtual para qualquer instalação. Começando na fase conceitual e de design de um projeto offshore, agora a ferramenta da Siemens permite executar inúmeros casos de projeto para os principais equipamentos rotativos, e-houses e sistemas de automação até que o equilíbrio desejado de capex/opex seja alcançado, fazendo isso em um curto período de tempo.


     Em combinação com a manufatura digital e testes e comissões virtuais, a Siemens criou um “gêmeo digital” da instalação topsides que encurta o tempo para o primeiro petróleo e continua a entregar valor durante as fases de operação do ativo.


        Pacheco observa que o conceito da Siemens ajuda as operadoras a priorizar os custos do ciclo de vida sobre as despesas iniciais de capital, sendo este último um fator tradicional para as decisões de investimento. Ele estima, por exemplo, que uma abordagem digitalizada como o Topsides 4.0 pode ajudar os operadores de plataformas offshore a:


  1. Cortar os tempos de ciclo de design e construção em 6 a 9 meses
  2. Reduzir as despesas de capital do projeto em US $ 10 a 15 milhões
  3. Reduzir as despesas operacionais em um período de 10 anos em US $ 100 milhões


     O vice-presidente ainda acrescenta que os benefícios da digitalização não estão limitados a plataformas offshore, mas também pode ajudar operações de upstream, midstream, refino e distribuição: “É muito mais do que soluções tecnológicas fornecidas pelo processo tradicional de licitação e de fornecedor. Ela exige verdadeiras parcerias entre operadoras, empresas de engenharia, aquisição e construção (EPC) e fornecedores de tecnologia com expertise em petróleo e gás, como a Siemens.”


Pipelines 4.0: estendendo o conceito para os operadores midstream

       A Siemens está ampliando o modelo Topsides 4.0 para a indústria de óleo e gás de médio porte, com o Pipelines 4.0. Ao fornecer soluções de bombeamento / compressão totalmente integradas, pré-testadas e prontas para instalar, o Pipelines 4.0 pode gerenciar melhor a complexidade da construção de estações de bombeamento e compressão para reduzir o tempo, os custos e os riscos da capacidade de pipeline da próxima geração.


        Em todos os casos, a digitalização é um divisor de águas na indústria de petróleo e gás altamente cíclica. Isso ajudará as operadoras a sustentar a rentabilidade por meio de ciclos que incluem inevitáveis desacelerações do mercado.


Fonte da informação:

THE MAGAZINE. Data fuels the future of oil and gas. Disponível em: https://www.siemens.com/customer-magazine/en/home/energy/fossil-power-generation/digital-offshore-production.html Acesso em: 10 de agosto de 2018.



Publicado em 10/08/2018

Compartilhe



Comentários

*Nome

*E-Mail

*Comentário

Siga nos

Postagem anterior

A certificação de produtos de iluminação não é nada sem fiscalização
a-certificacao-de-produtos-de-iluminacao-nao-e-nada-sem-fiscalizacao
09/11/2018

O uso das lâmpadas LED tem sido cada vez mais difundido entre os consumidores no Brasil, em virtude de vantagens como economia, eficiência e sustentabilidade.

Compartilhe

Ultimas Postagens

choqeue-eletrico-aparece-como-o-acidente-de-origem-eletrica-mais-frequente
Choque elétrico aparece como o acidente de origem elétrica mais frequente
No Anuário Estatístico de Acidentes de Origem Elétrica 2018 - ano base 2017 - da Abracopel o choque elétrico aparece como o acidente de origem elétricas mais frequente
a-certificacao-de-produtos-de-iluminacao-nao-e-nada-sem-fiscalizacao
A certificação de produtos de iluminação não é nada sem fiscalização
O uso das lâmpadas LED tem sido cada vez mais difundido entre os consumidores no Brasil, em virtude de vantagens como economia, eficiência e sustentabilidade.
reunioes-do-TC-31-da-IEC-atmosferas-explosivas
Reuniões do TC-31 da IEC - Atmosferas Explosivas
Entre os dias 15 a 26/10/2018 foram realizadas, na cidade de Busan, na Coreia do Sul, as reuniões de Grupos de Trabalho do TC-31 da IEC - Equipment for Explosive Atmospheres.
lampadas-leds-superam-expectativa-na-comercializacao-aponta-pesquisa
Lâmpadas LEDs superam expectativa na comercialização, aponta pesquisa
A revista O Setor Elétrico realizou pesquisa no mês de agosto, com 67 fabricantes de produtos do segmento elétrico de todo o Brasil para fazer uma avaliação do mercado.
entrevista-com-mark-potter-diretor-de-vendas-da-hubbell
Entrevista com Mark Potter, diretor de vendas da Hubbell
Durante a feira de exposição Rio Oil & Gas, a Polar recebeu em seu estande um visitante especial: Mark Potter, diretor de vendas da Hubbell.
polar-na-rio-oil-gas-2018
Polar na Rio Oil & Gas 2018
Nesta edição do evento, a Polar divulgou sua marca com o estande da Polar UK - filial situada no Reino Unido desde o final de 2017 - que ficou localizado no pavilhão 4.

Todos